terça-feira, abril 12, 2011

Magistério analisa reajuste de 10,91%

Magistério analisa reajuste de 10,91%
Fonte: Ag. Assmann/Lula Helfer Clique para Ampliar
Em audiência que durou menos de uma hora ontem à tarde, na Casa Civil, o governo do Estado fechou acordo com o Cpers/Sindicato, comprometendo-se a estender o reajuste salarial de 10,91%. O aumento, já proposto para os professores, também será concedido aos funcionários das escolas estaduais. No encontro, ficou definido ainda que os professores aposentados por invalidez terão os salários equiparados aos servidores da ativa, proporcionalmente. O reajuste será votado em assembleia geral hoje, a partir das 13h30, no Gigantinho, em Porto Alegre.
O 18º Núcleo do Cpers/Sindicato marca presença com três ônibus e uma van saindo de Santa Cruz, um micro-ônibus de Candelária, outro de Rio Pardo e um ônibus de Venâncio Aires. Segundo o diretor do núcleo, Jânio Weber, a categoria já acenava para a aprovação do índice após a  assembleia regional, realizada no dia 29 de março. “Esperamos que essa posição tenha o mesmo peso na estadual.” No entanto, ele ressalta que outras questões, como o piso nacional, devem ser estabelecidas em um calendário. “Agora é lei. Isso é resultado de uma luta histórica”, diz.
De acordo com Weber, o diálogo foi fundamental para que os docentes obtivessem o aumento. É a maior proposta recebida pela categoria nos últimos dez anos. Antes dos 10,91%, o Piratini havia apresentado um percentual de 8,95%. “Na conjuntura política, é completamente diferente de governos anteriores. Não foi preciso manifestação de rua ou sinetaço”, destaca. Em quatro audiências, Cpers e governo chegaram a um consenso.
A pauta de reivindicações contém 17 itens, sendo que alguns já foram aprovados pelo governo. Dentre eles está a realização de concurso público ainda em 2011, o abono às faltas das greves de 2008 e 2009 e um estudo técnico e jurídico para viabilizar o pagamento dos dias de paralisação. Em relação à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de quarta-feira, que fixa o piso salarial nacional para os professores da educação básica, o Piratini afirmou que não há previsão para o cumprimento da nova regra.
Conforme o secretário estadual de Educação, José Clóvis de Azevedo, o STF não definiu, ao validar a lei de 2008, quando a determinação terá validade. Pela decisão, estados e municípios não poderão usar o artifício de incorporar gratificações para atingir o valor mínimo. O piso atual é de R$ 1.187,97, valor que pode ser aumentado com o pagamento de acréscimos e benefícios. Para o Supremo, piso é vencimento e não remuneração, como era questionado pela ação direta de inconstitucionalidade 4.167.

quarta-feira, abril 06, 2011

Estudante vítima de bullying decide não voltar para a universidade

Aluna foi agredida com um capacete em Ribeirão Preto, no interior de SP.

Jovem afirmou à polícia que precisará de apoio psicológico.


ana claudia bullying (Foto: Reprodução/EPTV) 
A estudante Ana Cláudia foi agredida por alunas
da universidade onde estudava
(Foto: Reprodução/EPTV)
A estudante Ana Cláudia Lauer, que foi agredida na última sexta-feira (1º) em frente ao Centro Universitário Barão de Mauá, prestou depoimento nesta quarta-feira (6) na Delegacia da Mulher de Ribeirão Preto, cidade a 313 km de São Paulo. A jovem afirmou que não pretende voltar a frequentar as aulas na universidade, onde cursava enfermagem.
Ana Cláudia, de 20 anos, disse que precisa de acompanhamento psicológico para tentar superar o ocorrido. A jovem ainda passa por exames médicos para comprovar a gravidade dos ferimentos no rosto. Ela foi atingida por um capacete.
A delegada Lúcia Bocardo afirmou que as três garotas suspeitas de agressão já foram identificadas e também vão ser ouvidas. Ainda será investigado se houve omissão de socorro dos seguranças da faculdade. O Centro Universitário Barão de Mauá abriu uma sindicância para apurar os fatos.

O caso
No dia 31 de março, a estudante denunciou à universidade em que estuda que era perseguida por colegas. Ao chegar à sala de aula no dia seguinte, ela teria sido questionada pelos colegas. No final da aula, duas universitárias começaram a discutir com ela e uma terceira a agrediu com o capacete de motociclista.
Segundo Ana Cláudia, ela foi socorrida por uma aluna que não conhecia. Segundo a mãe da estudante, Cláudia Aparecida Rodrigues Lauer, a filha já tinha dito que não queria voltar a estudar na Barão de Mauá. “Ela está muito abalada. Nós também estamos preocupados com o que pode acontecer se ela voltar”, afirma.
Fonte:http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2011/04/estudante-vitima-de-bullying-decide-nao-voltar-para-universidade.html
div align="center">
Loading...
Ocorreu um erro neste gadget